segunda-feira, 7 de junho de 2010

"Quem jamais a esquece não pode reconhecer..."


Quer saber? Isto não é uma crônica, nem encaixa em gênero nenhum, aliás, nem gosto mais de gêneros!

Acho que o tal poeta foi muito radical quando disse ser impossível ser feliz sozinho. Poxa vida, eu e meus botões os divertimos tanto! Constatei isso quando me peguei gargalhando sozinha em meio aos meus pensamentos antes de dormir. Depois de minhas orações noturnas (já as matutinas são tão perturbadas e quase sempre interrompidas) sempre sinto paz e uma alegria que me tira o sono muitas vezes, minhas conversas com Deus e minhas declarações são longas, importantes e necessárias que são capazes de transformar pensamentos antigos, e consertar o pau que nasceu torto.


Sem contar às vezes que vou caminhando para o trabalho e vou com um sorriso aberto as pessoas (algumas) até me cumprimentam, outras ficam olhando indagadas... “essa mulher pirou!” Demorei muito pra entender que isso se chama felicidade, querer do abraço de minha irmãzinha quando passamos muito tempo sem se ver, querer ouvir a risada da minha mãe, lembrar das travessuras do Anapolino (o gato), bater um papo com os amigos da igreja, ouvir um samba com os que não são da igreja, ligar o cd player e gritar com Maria Bethânia... Isso tudo faz parte da minha felicidade e é só isso, me basta! Pra quê mais? Nunca fui gananciosa por riqueza, nem por matéria, não me apego a nada que seja tão concreto, porque o tal do concreto é danado pra quebrar a cara da gente! Gosto de pensar que as pessoas são boas, tento tampar os olhos para as terceiras intenções, e vivo um dia de cada vez (quem me viu quem me vê) cansei de colocar o carro na frente dos bois e acabar parando que nem besta vendo o tempo passar. Desde quando eu sou cristã? Desde quando resolvi reconhecer que o preço da minha felicidade já foi pago e que não há motivo nenhum pra tristeza.

Felicidade, meu amigo, não está em ninguém, está na vida que você constrói!

Posso sugerir um samba Havaiano? (risos)

http://www.youtube.com/watch?v=vCOW_rnl3r4

1 comentários:

Talita Confusão! disse...

eu gosto de ler o que vc escreve, cê sabe.
Mas nesse texto, o que mais me chamou a atenção foi..."essa mulher pirou"...
Que coragem de se definir como mulher e dar adeus à menininha, Ana. Que coragem!
=*